segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Coisas e Loisas Semióticas

A Raquel, muito querida, e como foi visível respondeu-me imenso. Como eu gosto que ela me dê um bocadinho de atenção resolvi, com muita dignidade psicológica, de me pôr a inventar!
Ela anda a fazer trabalho estranhos de Semiótica, onde tem que ver sinais de trânsito em coisas ensanguentadas (isto sou eu a fazer falsos testemunhos). Eu, como ainda não quero ir estudar MIP resolvi fazer uma cena à semiótica, também.

Análise da ANOVA da Imagem à Rita (psicologia) ou Análise Semiótica da Imagem à Rita (CC)

Imagem:



Fonte - Tumblr (ai não se o site!)

Inspiração: ela é bem gira e ela sabe pintar bem os olhos sem se esborratar toda com aquela coisa que nem é lápis nem caneta de filtro.

Tema:
Beijinho Com Estilo com Predominância dos Sinais de Regulamentação, Sub-Divisão, Proibição


Descrição:
Pode-se observar uma contracção muscular na zona bocal, indicativa de uma tendência beijatória. Contudo, essa mesma contracção e essa mesma tendência pode ser explicada pela intenção fotográfica do indivíduo.
A predominância do vermelho nesta imagem é de facto bastante notória, indicando, possivelmente a existência de uma intenção do Imagénico em transmitir a proibição sistemática deste acto pelo menos, para este indivíduo. Ainda assim, é destacada, com alguma saliência, da mesma forma, a pele ebúrnea da figura central da imagem, o que poderá facultar a informação da injustificação da proibição, remetendo o destaque, finalmente, para o verde das cavidades oculares. Como é de conhecimento geral, o verde é um pigmento bastante frequente na sinalização urbana, representativo do fim das restrições de andamento. Como tal, poder-se-á afirmar com certo grau de certeza que existe uma vontade expressa do indivíduo de finalizar a contracção labial, que, obviamente, termina na actividade Beijatatória. Concluindo, e pela existência tão antagónica destas cores,o Imagénico pretenderá, com isto, a demonstração dos conflitos internos existentes, uma vez que, todas estas cores permanecem no indivíduo e não em circunstâncias externas ao mesmo. Ou seja, o Imagénico pretende demonstrar a quantidade de vezes que o automobilista fica com um conflito interno (ex: quando um condutor deixa os máximos ligados, no cruzamento com o automobilista em questão: Deixo os meus ligados para o F**** ou sou um condutor responsável e faço o que me manda o código?!)


Com os melhores cumprimentos,
Rita Mendes

:P LOOL

1 comentário:

Raquel Silva disse...

Ai Rita, adorei xD tu não tens mesmo nada para fazer! ou não queres fazer nada do que deves! :P
LOOOL está uma análise muito mais fixe do que se fosse semiótica x)